ANÁLISE: A Celeuma Victor Ramos Continua

Junior Barreto 12 de Abril de 2016 1
(Imagem: Google)

(Imagem: Google)

Ao contrário da matemática, o direito não é exato. Existem diversas teorias, que servem para defender qualquer um dos lados de uma relação conflitante. De fato a disputa do Campeonato Baiano continua ameaçada, afinal ainda falta decisão do STJD acerca da matéria e ninguém tem a certeza do que pode acontecer nos próximos episódios.

O Vitória entende que a transferência do atleta se deu de forma legal, pois ocorreu entre Palmeiras e Vitória. De acordo com a tese do clube rubro-negro, o jogador encontrava-se vinculado ao Palmeiras no Sistema de Transferência da FIFA. O STJD já deu a entender que está de acordo com a tese de que a transferência foi internacional, através do seu presidente Caio Cesar Rocha, o STJD apresentou em sua última decisão que o caso apresenta indícios de burla ou ao menos inobservância de normas expressas e diretas da FIFA, mas deixou a decisão para vetar o jogador na semifinal ao TJD.

O Site da ESPN apresenta hoje dois importantes documentos que podem por um fim na celeuma envolvendo Victor Ramos, o primeiro é o contrato da transferência do jogador para o Vitória, no qual, a cláusula oitava é clara ao mencionar que trata-se de um contrato internacional e que as partes reconhecem que qualquer controvérsia sobre o mesmo será resolvida na FIFA. Em nenhum momento o Palmeiras é citado, segundo a reportagem da ESPN, o Palmeiras desconhece a informação de que o atleta ainda constava vinculado ao clube no TMS (sistema de transferências da Fifa). O segundo documento apresentado pela ESPN é um ofício do Monterrey para federação mexicana, no mesmo consta uma solicitação de autorização especial à FIFA para que o jogador atue no Vitória.

De fato a história parece estar longe de um final e quiçá um final feliz para o Leão. Por isso mesmo seria importante o jurídico do Vitória vetar, pelo menos por precaução, a atuação do jogador na Copa do Brasil, pois a equipe do Náutico-RR, em caso de derrota, poderá alegar até mesmo a nulidade do contrato envolvendo Victor Ramos e o Vitória e a ilegalidade do jogador em atuar na partida. Tudo fica resolvido se no apagar das luzes surgir um documento no qual a Fifa reconhece a transação como nacional.