Valeu, foi bom, adeus!

Junior Barreto 8 de Janeiro de 2017 0

Marinho – esse nome foi especulado no Vitória por dois anos, desde o sucesso da dupla Ricardinho e Marinho, que brilhou na Copa do Nordeste pelo Ceará. Mas ao deixar o clube cearense, ele foi para o Cruzeiro de Minas Gerais, no qual não teve uma boa sequência.

(Imagem: Reprodução)

(Imagem: Reprodução)

O namoro com Vitória teve início no dia 30 de janeiro de 2016, quando Marinho estreou com a camisa rubro-negra contra a Jacuipense e marcou o seu primeiro gol. Desde então, o camisa 7 conquistou os torcedores do Vitória e o respeito do grupo. Não demorou para direção do clube se encantar com o jogador e investir R$1,5 milhão na compra do atleta, adquirindo 50% dos direitos econômicos junto ao Cruzeiro.

O campeonato passou e Marinhou se firmou como o principal jogador da equipe rubro-negra, responsável direto pela permanência do Vitória na Série A. O técnico Argel Fucks foi taxativo – o Vitória tinha que jogar para Marinho, como o Real Madrid joga para Cristiano Ronaldo. Argel sabia o que estava falando, precisando tirar o time do risco de rebaixamento e o time só tinha uma saída: Marinho.

Mas a boa temporada encheu os olhos de Marinho e seu staff. O atleta entende que já cumpriu a sua missão e não quer mais ficar no clube. Contudo, para ir embora, a nova direção do Leão atua de forma exemplar e não abdica da multa contratual para liberar o jogador. O total é R$17 milhões, desses, o Vitória tem direito a 50%.

A direção rubro-negra deixa claro que já foi o tempo dos clubes nordestinos serem olhados como patinhos feios, e que devem ser tratados com o mesmo profissionalismo das demais equipes.